domingo, 14 de janeiro de 2018

Caderno de Mapas de Sergipe.

Olá, tudo bem?

É com muita satisfação que o Blog - Geosus divulga mais uma publicação, intitulada “Caderno de Mapas do Estado de Sergipe”. Este caderno publica diversas características geográficas do Estado de Sergipe com o objetivo de auxiliar nas atividades em sala de aula e nos estudos do componente curricular de Geografia para alunos do Ensino Fundamental Maior (6° ao 9° Ano) e Ensino Médio.

A utilização das informações geográficas referenciadas ao Estado de Sergipe se faz importante pois contribui para a compreensão dos fenômenos geográficos a nível local, favorecendo assim, uma compreensão não só das características geográficas como também suas localizações espaciais próximas ao cotidiano dos alunos.

Foram utilizados dados espaciais oficiais sobre o Estado de Sergipe, que tem como referência o “Atlas Digital sobre Recursos Hídricos de Sergipe”. Este Atlas publicado pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Sergipe - SEMARH-SE, apresenta diversas informações geográficas referenciadas à Sergipe e é utilizada como referência importante no desenvolvimento de trabalhos em Geoprocessamento a nível nacional; sendo já premiado pela ANA (Agência Nacional de Águas) como referência na gestão dos recursos hídricos do país.

Também foi utilizado para a confecção do Caderno de Mapas do Estado de Sergipe softwares de SIG (Sistema de Informações Geográficas) que facilitaram tanto a visualização dos dados geográficos do Atlas, quanto a geração dos mapas temáticos. Dessa forma, cabe aqui salientar a importância do uso de novas tecnologias que apoiem o professor em suas diversas atividades em sala de aula.

O Caderno de Mapas possui questões relacionadas aos temas, que servem para a compreensão dos fenômenos e trabalha o desenvolvimento cognitivo a partir dos elementos principais da cartografia na confecção de mapas (escala, orientação, legenda, coordenadas geográficas, fonte de informação e título).

É importante dizer que esta publicação não tem caráter lucrativo, sendo construída a partir de dados oficiais gratuitos e sistemas de informações em código aberto. Portanto, a Geosus promove e incentiva o uso de ferramentas livres que possam ajudar ao desenvolvimento da ciência e da educação no Estado de Sergipe e em nosso país.

Endereço para download: Caderno de Mapas de Sergipe - 2018.

Até a próxima!!!

MSc. Rodrigo da Silva Menezes
Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente
Especialista em Didática e Metodologia do Ensino Superior
MBA em Gestão Ambiental e da Qualidade (ISO 14.001 e 9.001)
Consultor Técnico em Geotecnologias
Geografia - Licenciatura

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

CÁLCULO DE ÁREAS – Prática de Geoprocessamento com uso do software QGIS 2.18 – v. Las Palmas.

Olá, tudo bem? Este post fala sobre uma função simples, mas de muita relevância nos trabalhos de geoprocessamento. O Cálculo de Áreas ajuda o usuário a estabelecer a área dos polígonos gerados, facilitando por exemplo, a quantificação de uma Área de Proteção Ambiental em determinado empreendimento. 

É importante lembrar que a plataforma QGIS está em processo de atualização para a versão 3.0. Neste caso, utilizo a versão 2.18 - Las Palmas para apresentar esta importante função de geoprocessamento. 

Para acessar a ferramenta de cálculo de mapas, o usuário precisa estar com um shapefile (polígono) inserido no projeto, afinal como a função é cálculo de área, logo a base para cálculo serão os vetores poligonais. Para acessar o cálculo de áreas, o usuário deve seguir este caminho representado na imagem a seguir:

 Caminho 01 para Cálculo de Áreas

Legenda da imagem:

1 – Acessar a Tabela de Atributos do shapefile.

2 – Habilitar o Modo de Edição da Tabela de Atributos.

3 – Adicionar Novo Campo (funciona como a inserção de uma nova coluna na tabela).

4 – Na caixa de diálogo Novo Campo, inserir as informações sobre a nova coluna (adicionar os valores do nome da coluna, tipo de dado – neste caso número decimal, e o comprimento – números inteiros “5” e precisão – números decimais “2”).

5 – Nova coluna criada.

Após realizada esta operação, o próximo passo é realizar o cálculo das áreas dos polígonos do shapefile selecionado. Nesta função o usuário deverá indicar inicialmente a ferramenta “Calculadora de Campo” e indicar qual a coluna da Tabela de Atributo a ser atualizada com o cálculo. 

Em seguida, seleciona a opção de “Cálculo de Geometria” localizada no campo “Funções” e confirma o cálculo da área representada pela função: $Area. A seguir no campo “Expressões” deve-se dividir a função pelo valor 1.000.000 (representa a conversão de metros para quilômetros m² - km²), verifica se o valor da área corresponde ao cálculo no campo “Prévia de Saída” e confirma a operação. Seguir esta rotina de trabalho de acordo com a imagem a seguir:

 Caminho 02 para Cálculo de Áreas

Legenda da imagem

1 - Ferramenta “Calculadora de Campo”.

2 – Ativar a opção “Atualizar um campo existente”.

3 - Indicar qual a coluna da Tabela de Atributo a ser atualizada com o cálculo.

4 - Seleciona a opção de “Cálculo de Geometria” localizada no campo “Funções”.

5 - Confirma o cálculo da área representada pela função: $Area. A seguir no campo “Expressões” deve-se dividir a função pelo valor 1.000.000 (representa a conversão de metros para quilômetros m² - km²).

6 - Verifica se o valor da área corresponde ao cálculo no campo “Prévia de Saída”.

7 - Confirma a operação.

O resultado do cálculo é apresentado agora na coluna “Área” criada na Tabela de Atributos do shapefile. Agora o usuário tem a possibilidade de indicar com precisão qual o tamanho das áreas do seu polígono!

 Caminho 03 para Cálculo de Áreas

Gostaria de agradecer a sua leitura e espero que possa contribuir no desenvolvimento de suas atividades em geoprocessamento. Não esqueça de compartilhar com outros colegas e contribuir com seus comentários! Muito obrigado.

Até a Próxima!

MSc. Rodrigo da Silva Menezes
Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente
Especialista em Didática e Metodologia do Ensino Superior
MBA em Gestão Ambiental e da Qualidade (ISO 14.001 e 9.001)
Consultor Técnico em Geotecnologias
Geografia - Licenciatura

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Canal GEOSUS: Aula sobre Uso de Geotecnologias em Sala de Aula.


Atualmente vive-se uma nova era da informação, voltada ao discurso da cultura da conectividade e da diversidade. Cada dia surgem novas plataformas de comunicação que possibilitam integrar os mais diversos dados que retratam as mais diversas territorialidades dos assentamentos humanos. No campo da Geografia, por exemplo, a inserção da tecnologia apresenta-se como uma verdadeira revolução no acesso a informações e dados oficiais que há pouco tempo atrás, somente por meio analógico eram disponibilizados.

A Inteligência Geográfica surge como uma nova plataforma capaz de oferecer conhecimentos que possibilitam, entre outras coisas, compreender o meio em que se vive (como as imagens de satélite disponibilizadas pela Google), e com o advento das redes sociais, compartilhar geoinformações que podem resultar na colaboração de projetos que visem as mais diversas tomadas de decisões, bem como contribuir para a construção dos conceitos básicos da Geografia em sala de aula.

O mundo atual apresenta diversos problemas sociais e também de ordem ambiental. Problemas como a mobilidade urbana nas cidades, a superpopulação do mundo, as crescentes epidemias e problemas de saúde pública (zika vírus, ebola, H1N1, entre outras), além dos conflitos armados no Oriente Médio, por exemplo, são situações em que o uso da inteligência geográfica torna-se fundamental para os objetivos de conciliar interesses, propor soluções e intervenções territoriais que visem diminuir os impactos negativos nesta sociedade conectada 24 x 7 (24 horas x 7 dias por semana).

Esta cultura da conectividade chega a sala de aula, por meio dos smartphones e suas diversas aplicações. E o desafio de se trabalhar em conjunto com essas ferramentas é grande, tendo em vista que a barreira do medo do desconhecido ainda faz com que em muitas salas de aula de nosso país, ainda se trabalhe da mesma forma que há 30 anos atrás. E esse desafio torna-se especial ao se abordar os conceitos fundamentais da Geografia, em que se destaca as necessidades de aumentar o conhecimento em prol da sociedade, promover o uso racional dos recursos naturais e proteger a vida em todos os seus aspectos.

Jogos como o Minecraft por exemplo, são aplicações que trabalham com a ideia da construção e desconstrução de noções espaciais. Pode-se desenvolver diversas práticas de organização territorial com viés para desenvolvimento, e são aplicações que fazem parte do cotidiano de diversos jovens ao redor do planeta. E como utilizar este conhecimento em práticas educativas que utilizem as geotecnologias, torna-se importante ferramenta para a construção do conhecimento nas disciplinas do ensino fundamental.

Outra plataforma importante são os estudos voltados para o entendimento dos diversos aspectos do planeta, resulta em pesquisas com abordagens integrada, multidisciplinar e, até mesmo, interdisciplinar. Tendo em vista que essas pesquisas abordam sobretudo os diversos fenômenos naturais e antrópicos (do homem) na Terra.

Atualmente provedores de serviços em internet, a exemplo da empresa Google, utilizam o termo 'Aplicações Geoespaciais' para a disponibilização de informações mapeadas. Graças a uma gigante geração de dados geográficos em diferentes escalas (global, regional, local e topográfico), qualquer computador ou smartphone é capaz de apresentar localidades na Terra além de outros planetas, possibilitando mapas em diferentes níveis de resolução e precisão.

Os professores de Geografia possuem instrumentos capazes de ajudar nesta árdua tarefa; e por mais que ainda exista um grande distanciamento, as Geotecnologias estão disponíveis em diversas plataformas livres e podemos utilizá-las no processo de ensino-aprendizagem de forma a auxiliar o trabalho e desenvolvimento intelectual dos alunos, tanto em sala de aula, como em atividades de trabalho de campo.

A partir do uso orientado de geotecnologias pode-se facilitar a aprendizagem nas rotinas escolares, aproximar os conteúdos do currículo escolar à realidade de vivência dos alunos e produzir ótimos resultados na compreensão das categorias geográficas, a saber: Espaço, Região, Território, Paisagem e Lugar.

As metodologias de ensino baseadas no uso de Geotecnologias como instrumento precisam ter como objetivo desenvolver a observação sistemática do espaço, a capacidade descritiva (selecionar, ordenar e organizar informações) e por fim, registrar as observações. Essas metodologias exercitam a criatividade do aluno e possibilita:

“(...) a verbalização ou produção textual, elaboração de desenhos, croquis, maquetes ou montagem de fotos e figuras. Abre espaços para que o aluno ou o grupo estabeleça opiniões e faça uma apreciação crítica, para a problematização de fenômenos observados, para estabelecimento de hipóteses e para encaminhamento à investigação. É, portanto, um recurso de múltiplas possibilidades de abordagem (temática e interdisciplinar) e de múltiplas perspectivas de exploração no processo de aprendizagem” GELPI; SCHAFFER (2003).

A análise dinâmica espaço-temporal sobre Relevo, Hidrografia, Vegetação, Processos de Urbanização é um ótimo exemplo para elencar metodologias de ensino com uso de Geotecnologias na sala de aula. Possibilita aos alunos a investigação sobre as mudanças do espaço geográfico analisado, bem como os processos responsáveis por essas mudanças.

A elaboração de mapas temáticos e croquis é uma outra metodologia interessante em sala de aula. Possibilita não apenas a análise da dinâmica espaço-temporal (de preferência do entorno da escola), como também trabalhar com temas de cartografia sistemática, a exemplo da inserção de legenda, escalas, sistemas de coordenadas e de orientação (norte geográfico), como também na criação de mapas mentais e observação científica.

O uso de GPS para aquisição de coordenadas e a inserção dos dados na imagem de satélite base dos estudos, além de auxílio no trabalho de campo é uma ótima ferramenta.

As Geotecnologias possibilitam compreender e intervir na realidade social, entender as diferentes formas de interação entre as sociedades e a natureza na construção do espaço geográfico e as singularidades dos lugares. Além de facilitar o entendimento sobre as múltiplas relações de um lugar com outros e a percepção do desenvolvimento humano no espaço e no tempo.

REFERÊNCIA:
GELPI, A; SCHÄFFER, N. O. Guia de percurso urbano. In: CASTROGIOVANNI, A.C. et al (org.). Geografia em sala de aula: práticas e reflexões. Porto Alegre: Editora da UFRGS,2003.

Até a Próxima!

MSc. Rodrigo da Silva Menezes
Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente
Especialista em Didática e Metodologia do Ensino Superior
MBA em Gestão Ambiental e da Qualidade (ISO 14.001 e 9.001)
Consultor Técnico em Geotecnologias
Geografia - Licenciatura

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Canal GEOSUS - Youtube

Olá, Tudo bem?

O GEOSUS Blog, apresenta esta nova ferramenta de comunicação entre seus colaboradores.

Em seu primeiro vídeo, uma aula sobre Cartografia para Geoprocessamento.

Acessem, assistam e compartilhem em suas redes sociais!


Até a Próxima!

MSc. Rodrigo da Silva Menezes
Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente
Especialista em Didática e Metodologia do Ensino Superior
MBA em Gestão Ambiental e da Qualidade (ISO 14.001 e 9.001)
Consultor Técnico em Geotecnologias
Geografia - Licenciatura

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Um Olhar geográfico sobre a cidade - A violência em Aracaju: Espacialização das ocorrências policias entre 2010 a 2015 por bairros.

No Brasil o aumento da violência vem sendo atribuído a um grande conjunto de fatores, dentre os quais se destacam a desigualdade social, a desagregação social, a corrupção de valores morais, a omissão e a impunidade. Esse conjunto de fatores, aliado a muitos outros, especialmente no espaço urbano, reflete desrespeito à legislação vigente, aos sistemas executivo, legislativo e judiciário e, em última análise aos direitos humanos em todas as suas esferas. A relação entre violência e espaço urbano precisam ser estudadas, buscando os fatores que favorecem, ou inibem as ações violentas.

A cidade de Aracaju tem se destacado ao longo dos últimos anos pela violência institucionalizada nas mais diversas esferas de sua comunidade.  Percebe-se que a violência está cada vez mais presente na vida do cidadão aracajuano, que tem sentido o impacto dos mais diversos tipos de violência cotidianamente.

Dados e estudos apontam por exemplo, que o Estado de Sergipe é um dos estados do país que proporcionalmente tem o maior número de casos de homicídios (relação de casos de homicídio por 100 mil habitantes). De acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública do Estado de Sergipe (SSP/SE), em diversos bairros da capital no período de 2010 a 2015, registrou-se mais de 50 homicídios, que dá uma média de 10 homicídios por ano em cada bairro. São realmente números que demonstram uma violência institucionalizada, não só em relação aos casos de homicídios, que é a forma mais cruel da violência, como também nos casos de roubo, furtos, ameaças e vias de fato.

Outro ponto a se destacar é a relação entre os casos de violência e a sua ocorrência espacial. Ao localizar os casos de violência percebe-se uma relação muito próxima com algumas características espaciais da cidade. Por exemplo, os bairros que apresentam maiores índices de roubos e furtos é o Centro, Jardins e Treze de Julho; e isso tem uma relação direta por ser nestes bairros onde estão localizadas as maiores concentrações de estabelecimentos comerciais da cidade. 

Outro exemplo é a relação dos casos de homicídios com espaços que são desprovidos de equipamentos públicos voltados a educação, planejamento e lazer. Percebe-se um maior índice de homicídios no bairro Santa Maria, este que é caracterizado como um dos bairros mais pobres da capital, e que evidencia a relação direta entre casos de violência e localidades com maiores índices de pobreza. A seguir é apresentado os casos de homicídios por bairros na capital sergipana.

Neste mapa percebe-se claramente o bairro que mais registrou o tipo de ocorrência homicídio. Este bairro é o Santa Maria, caracterizado por ser um bairro desprovido de planejamento urbano, em que o ambiente vivido pelos seus habitantes é de constante insegurança. Além disso, neste bairro encontra-se uma grande parte da população que vivem em habitações subnormais na capital sergipana. Por conta disso pode-se inferir que há uma relação direta entre os casos de violência e a segregação sócioespacial na cidade. 

Mapa de Homicídios em Aracaju (2010 a 2015)

Porém cabe destacar que em locais da cidade onde se encontra um mínimo de equipamentos públicos voltados ao planejamento urbano, como são os bairros Pereira Lobo, Grageru e Inácio Barbosa, registra-se um número bem menor de ocorrências em relação a homicídios. No geral, a cidade de Aracaju apresentou no período de 2010 a 2015 um número elevado de homicídios, mas percebe-se claramente que este é um fenômeno que não ocorreu em todas as zonas da cidade, evidenciando o fato de que localidades desprovidas de equipamentos urbanos e com uma população de baixa renda apresentaram os maiores índices de homicídios, como é o caso dos bairros Santa Maria, Santos Dumont e Cidade Nova.

Os dados coletados, contudo, não foram apenas relacionados aos casos de homicídios. Foram mapeados também os casos de roubos e furtos na capital sergipana para o mesmo período de 2010 a 2015. E quando se analisa as informações, percebe que há o mesmo tipo de interação entre os casos de violência e as diversas características espaciais da cidade.

Por exemplo, os casos de roubo nos bairros aracajuanos evidenciam uma concentração desse tipo de ocorrência nos bairros onde estão localizados o maior número de equipamentos urbanos voltados ao comércio e ao turismo. Bairros como Centro, Siqueira Campos, Atalaia, Jardins e Treze de Julho registraram os maiores índices de roubos na cidade e isso pode ser explicado justamente por ser nesses bairros onde estão concentrados os mais diversos tipos de estabelecimentos voltados ao comércio. Isso pode ser explicado, porque onde há concentração de comércio existe exponencialmente uma maior concentração de pessoas e transeuntes, fato que contribui significativamente para um maior número de casos de roubo. 

Aqui cabe destacar que o bairro Farolândia, também caracterizado por ser um bairro com uma oferta grande de comércio, apresentou número elevado nos casos de ocorrência de roubo.

Mapa de Roubos em Aracaju (2010 a 2015)

O mesmo pode ser destacado para os casos de furto, que apresentam também concentração de ocorrência desses bairros em que se concentram os estabelecimentos voltados ao comércio, e no caso do bairro Atalaia, voltado para o turismo, evidenciando também que os casos de furto ocorrem com pessoas que visitam a cidade, e acabam vítimas desse tipo de violência.

Mapa de Furtos em Aracaju (2010 a 2015)

Vale destacar que o crescimento da onda de violência que atinge atualmente a capital sergipana está vinculada às suas características sócioespaciais, e cabe ao poder público delimitar estratégias de combate à criminalidade por meio de ações educativas inteligentes. Não se combate a cultura de violência com o uso de mais violência!

O caminho indicado aqui é conhecer para modificar, compreendendo em quais bairros se tem as maiores taxas de de ocorrências, podem-se traçar possíveis caminhos de enfrentamento a este problema social, que passa por tópicos como planejamento urbano, valorização profissional de policiais, oferta de educação transformadora, geração de emprego e renda, construção de espaços de lazer, entre tantas outras possibilidades...

Fica aqui o convite para discutirmos de forma mais aprofundada esta questão que atinge a vida de todos os cidadãos não só de Aracaju, mas da maioria das cidades em nosso país.

Até a Próxima!

MSc. Rodrigo da Silva Menezes
Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente
Especialista em Didática e Metodologia do Ensino Superior
MBA em Gestão Ambiental e da Qualidade (ISO 14.001 e 9.001)
Consultor Técnico em Geotecnologias
Geografia - Licenciatura

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Desafios no uso de Geotecnologias em sala de aula.

O tema abordado aqui é de grande relevância, principalmente para os professores de geografia que no dia-a-dia de sala de aula se deparam com dois grandes desafios, que são:

1 - Como fazer com que a Geografia de sala de aula se traduza num conhecimento interessante.
2 - Como apresentar aos alunos uma Geografia do cotidiano.

Atualmente os professores de Geografia possuem instrumentos capazes de ajudar nesta árdua tarefa; e por mais que ainda exista um grande distanciamento, as Geotecnologias estão disponíveis em diversas plataformas livres e podemos utilizá-las no processo de ensino-aprendizagem de forma a auxiliar o trabalho e desenvolvimento intelectual dos alunos, tanto em sala de aula, como em atividades de trabalho de campo.

Para tanto, precisa-se ultrapassar a barreira do medo do desconhecimento das novas tecnologias, a exemplo do Sensoriamento Remoto (não tão novo assim!), GPS, SIG´s, entre outras; o professor de Geografia do século XXI precisa utilizar as geotecnologias a seu favor no processo de ensino-aprendizagem.

A partir do uso orientado de geotecnologias pode-se facilitar a aprendizagem nas rotinas escolares, aproximar os conteúdos do currículo escolar à realidade de vivência dos alunos e produzir ótimos resultados na compreensão das categorias geográficas, a saber: Espaço, Região, Território, Paisagem e Lugar.

Necessidade de Planejamento no uso de Geotecnologias em sala de aula.

Primeiramente cabe indicar que o planejamento é a organização de todo trabalho escolar. É desenvolvido a partir da ação do professor e visa o alcance de objetivos de ensino e aprendizagem em sala de aula. É no planejamento da aula que o professor de Geografia prevê atividades que tenham ligação com o assunto a ser abordado em sala de aula, as estratégias de ensino (recursos didáticos) e as formas de avaliação dos conteúdos repassados.

É fato que existem diversos fatores associados ao processo de ensino-aprendizagem. As novas tecnologias têm imposto uma mudança na forma do homem pensar e ser/estar no mundo, em outras palavras, significa que no âmbito do ensino, o processo de aprendizagem e os conteúdos de geografia devem estar relacionados com as práticas voltadas à cidadania, respeito ao meio ambiente e uso das diferentes plataformas tecnológicas.

Essas mudanças nos estilos de ensino e aprendizagem em geografia são os maiores desafios constatados nas escolas. A falta de um diálogo mais próximo entre professores, alunos e novas tecnologias é uma situação recorrente nas mais variadas salas de aula pelo Brasil afora, e cabe ao professor, intermediador desse processo, perceber que cada vez mais, os alunos enfatizarão novas formas de abordagens.

Exemplos de boas metodologias de ensino com o uso de Geotecnologias.

As metodologias de ensino baseadas no uso de Geotecnologias como instrumento precisam ter como objetivo desenvolver a observação sistemática do espaço, a capacidade descritiva (selecionar, ordenar e organizar informações) e por fim, registrar as observações.

Essas metodologias exercitam a criatividade do aluno e possibilita:
“(...) a verbalização ou produção textual, elaboração de desenhos, croquis, maquetes ou montagem de fotos e figuras. Abre espaços para que o aluno ou o grupo estabeleça opiniões e faça uma apreciação crítica, para a problematização de fenômenos observados, para estabelecimento de hipóteses e para encaminhamento à investigação. É, portanto, um recurso de múltiplas possibilidades de abordagem (temática e interdisciplinar) e de múltiplas perspectivas de exploração no processo de aprendizagem” GELPI; SCHAFFER (2003).

A análise dinâmica espaço-temporal sobre Relevo, Hidrografia, Vegetação, Processos de Urbanização é um ótimo exemplo para elencar metodologias de ensino com uso de Geotecnologias na sala de aula. Possibilita aos alunos a investigação sobre as mudanças do espaço geográfico analisado, bem como os processos responsáveis por essas mudanças.

A elaboração de mapas temáticos é uma outra metodologia interessante em sala de aula. Possibilita não apenas a análise da dinâmica espaço-temporal (de preferência do entorno da escola), como também trabalhar com temas de cartografia sistemática, a exemplo da inserção de legenda, escalas, sistemas de coordenadas e de orientação (norte geográfico).

O uso de GPS para aquisição de coordenadas e a inserção dos dados na imagem de satélite base dos estudos, além de auxílio no trabalho de campo é uma ótima ferramenta.

Utilizar plataformas livres é essencial para que o professor desenvolva práticas de ensino de forma mais rápida e inteligente, afinal programas como o Google Earth e Quantum GIS oferecem uma grande diversidade de ferramentas que auxiliam o processo de aprendizagem, além de possibilitar o contato dos alunos com as mais avançadas ferramentas de geoprocessamento disponíveis gratuitamente, sem a necessidade da compra de licenças de uso.

Concluindo...

A pergunta que baliza as discussões sobre o uso de Geotecnologias em sala de aula é:

"O que as Geotecnologias podem acrescentar no processo de ensino-aprendizagem geográfica?"

As Geotecnologias possibilitam compreender e intervir na realidade social, entender as diferentes formas de interação entre as sociedades e a natureza na construção do espaço geográfico e as singularidades dos lugares. Além de facilitar o entendimento sobre as múltiplas relações de um lugar com outros e a percepção do desenvolvimento humano no espaço e no tempo.

Referências Bibliográficas:

GELPI, Adriana; SCHAFFER, Neiva Otero. Guia de Percurso Urbano. In.: Geografia em sala de aula: práticas  e reflexões / org.: Antonio Carlos Castrogiovanni (et al.) – 4° Ed. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.

Projeto #GEOnaEscola – Mundo Geo. http://mundogeo.com/blog/2016/04/15/geonaescola/



MSc. Rodrigo da Silva Menezes
Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente
Especialista em Didática e Metodologia do Ensino Superior
MBA em Gestão Ambiental e da Qualidade (ISO 14.001 e 9.001)
Consultor Técnico em Geotecnologias
Geografia - Licenciatura


segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Um olhar geográfico sobre a cidade - Av. Beira Mar (Aracaju/SE)

Olá, após um hiato de publicações, o GEOSUS - Blog, apresenta nova série que abordará alguns olhares geográficos sobre estruturas urbanas de Aracaju/SE, sendo que, dependendo do ritmo que a vida levar, poderá ser estendido para outras cidades...

A primeira publicação desta série aborda um tema tanto quanto controverso que é a construção do empreendimento público "Calçadão da Praia Formosa", no bairro 13 de Julho, Zona Sul da capital sergipana. 

Este é um tema  assaz controverso porque de um lado se tem a posição clara da Prefeitura Municipal de Aracaju, de necessidade emergencial da obra de defesa litorânea da Praia 13 de Julho, e de outro o posicionamento da ADEMA (órgão regulador na área de meio ambiente no Estado de Sergipe), o qual afirma que a obra fora iniciada sem a realização de estudos de impacto ambiental, obrigatórios na fase preliminar do licenciamento ambiental, impossibilitando dessa forma a indicação do dano ambiental real gerado pela obra, gerando ausência de monitoração e acompanhamento da influência sobre o ecossistema dos estuários dos Rios Sergipe e Poxim, como também dos reflexos futuros nas áreas urbanas dos municípios de Aracaju e Barra dos Coqueiros.

O Projeto de Desefa Litorânea da Praia 13 de Julho, consistiu na construção de aterro dotado de um muro longitudinal e de uma estrutura de reforço, denominada "campo de espigões", que se estende do mirante do calçadão da Praia 13 de Julho até a rampa de pescadores, localizada no restaurante New Hakata e Iate Clube de Sergipe. Essa obra foi motivada pelos danos causados na estrutura urbana local, pela ação de correntes e ondas associadas ao tipo de sedimento formador do leito do rio Sergipe, indicando um possível avanço do mar nas faixas de passeio para pedestres e da pista de automóveis, uma das mais movimentadas da cidade. 



Antes de abordar os problemas decorrentes da obra e da desarticulação institucional entre município e estado, é importante frisar que a área objeto de obra é uma Paisagem Natural Notável de uso sustentável, criada pelo decreto 2.825/1990.

Os estudos elaborados tiveram como escopo a real necessidade da obra, tendo em vista a presença de diversas rachaduras tanto no muro de contenção da maré, como na faixa de passeio de pedestres e na pista de automóveis. Segundo palavras de uma das empresas consultoras do projeto, a Av. Beira Mar apresentava em diversos trechos uma série de manifestações patológicas em variados graus de intensidade, que poderiam ter sido causadas por falhas no projeto inicial, falhas na execução da obra, ausência de manutenção / manutenção inadequada ou eventos de causa externa. 

Aqui é importante lembrar que as rachaduras e problemas encontrados na via, poderiam ter diferentes causas, e que no projeto da Obra do Calçadão da Praia Formosa, apenas eventos de causa externas fora considerado como principal fator do desgaste, nessa caso, a ação da maré e de ondas. O estudo morfodinâmico indicou que a ação das ondas teria causado transtornos aos usuários do transporte público, pedestres, ciclistas e veículos, porque as ondas arrebentavam na muralha e o "spray" caía sobre as pistas e calçadas da Av. Beira Mar. Sendo esta a causa principal da fragilidade em que se encontrava a estrutura, porém não se sabia prever em que momento poderia ocorrer um acidente devido ao rebaixamento ou criação de cratera nas pistas e calçada.

Tendo em vista o caráter de emergência para realizar a intervenção de contenção da maré e das ondas, e utilizando do artifício legal em que se dispensa a autorização de órgão ambiental competente para a execução em caráter emergencial de obras de interesse da defesa civil destinadas à prevenção de acidentes em áreas urbanas, a Prefeitura Municipal decide tocar a obra sem apresentar Estudo de Impacto Ambiental necessário na fase preliminar do licenciamento ambiental.

Por conta disto, a ADEMA, decide perpetrar ação contra a Prefeitura Municipal de Aracaju, para embargar a obra, até que se apresente o Estudo de Impacto Ambiental da área, por se tratar de uma obra de alta complexidade, e por interferir diretamente no estuário de dois rios importantes o Sergipe e o Poxim. A ausência deste estudo incide diretamente na mensuração dos tipos de impactos causados pela obra.

Por se tratar de uma região extremamente sensível e dinâmica, possíveis riscos ambientais e graves repercussões não só a montante dos cursos d´água, como na margem oposta, que banha o município de Barra dos Coqueiros, foram destacados por diversos setores da sociedade organizada, e de certa forma esses fatores acabaram negligenciados na ausência do Estudo de Impacto Ambiental na fase preliminar do licenciamento da obra. 


Longe de finalizar o debate sobre esta obra, é importante frisar que a ausência do Estudo de Impacto Ambiental prejudica a análise da real dimensão que a construção do aterro implica nas áreas de manguezal, no regime de maré, navegabilidade, erosão costeira, obstrução da rede de esgoto e os impactos em áreas urbanas, principalmente no município de Barra dos Coqueiros, que passa a receber maior carga de sedimentos devido a construção do campo de espigões.

O questionamento que fica aqui é sobre a caracterização da necessidade de obras emergenciais (quando se torna emergencial) e como obrigar, mesmo em situações emergenciais, que sejam executados os estudos de impactos ambientais referentes aos possíveis danos ambientais causados. 

Qual é a medida certa entre o bem estar social e ambiental?

Impactos Ambientais perceptíveis na área:

- Supressão de manguezal
- Surgimento de banco de areia
- Descarte de lixo
- Despejo de Esgoto 'in natura'

Impactos Sociais perceptíveis na área:

- Valorização do espaço imobiliário
- Criação de espaço de convivência
- Distanciamento da maré e de ondas das vias


Descarte de Lixo

Supressão de Manguezal

Despejo de Esgoto 'in natura'

Poluição da Água


Até a Próxima!

MSc. Rodrigo da Silva Menezes
Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente
Especialista em Didática e Metodologia do Ensino Superior
MBA em Gestão Ambiental e da Qualidade (ISO 14.001 e 9.001)
Consultor Técnico em Geotecnologias
Geografia - Licenciatura